UIJRT » United International Journal for Research & Technology

The Inclusion of the Disabled in the Classroom Through the Universal Learning Design: A Perspective Through Vigostk Interactionism

Total Views / Downloads: 283 

Cite ➜

Gabriel da Cruz Dias, 2022. The Inclusion of the Disabled in the Classroom Through the Universal Learning Design: A Perspective Through Vigostk Interactionism. United International Journal for Research & Technology (UIJRT), 3(3), pp.07-17.

Abstract

Inclusion in recent years has been effectively discussed, which is very good, after all, significant and more effective improvements have been made possible for it to really happen. Also over the years, we have seen several works with theories, work proposals, adaptations and flexibility, reports and others that address the theme. Evidently, practising the philosophy of school inclusion is not a simple task. Through bibliographical research in this work, we present a summary of the context of inclusion in Brazil, guiding the reader from its historical context. Then, the idea of universal learning design is presented from its origin and main concepts, as well as an interpretation of it from Vygotsky’s socio-interactionist theory. Thus, this work seeks to guide the viewer, not only about the importance of inclusive work, as well as its permanence but how the use of a methodology, even if old, has been gaining space within the school environment.

Keywords: Educational Policies Inclusion, Interactionism, Universal Learning Design.

References

  1. ALVES, D. S. S., AGUILAR, L. E. A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva em Jundiaí: Uma Análise do Processo de Implementação. Revista Brasileira de Educação Especial. V.24 n. 3 p. 367-382. Bauru July/Sept. 2018
  2. ALVES, M.M.; RIBEIRO, J.; SIMÕES, F. Universal Design for Learning (UDL): Contributos para uma escola de todos. Indagatio Didactica, 5(4):122-146. 2013
  3. ALNAHDI, G. Assistive technology in special education and the universal design for learning. The Turkish Online Journal of Educational Technology – Tojet, v. 13, n. 2, p. 18-23, Apr. 2014.
  4. ANDERSEN, L.; NASH, B. Making science accessible to students with significant cognitive disabilities. Journal of Science Education for Students with Disabilities, v. 19, n. 1, p. 17-38, 2016.
  5. ANGOTTI, J. A. P.; AUTH, M.A. Ciência e tecnologia: implicações sociais e o papel da educação. Ciência & Educação, v.7, n.1, p.15-27, 2001.
  6. ARAÚJO, I.S. Simulação e modelagem computacionais como recursos auxiliares no ensino de física geral. Porto Alegre, 2005. 238p. Tese (Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Física).
  7. AVILA, L. L. de. O Planejamento Educacional Individualizado (PEI) para pessoas com deficiência intelectual: uma construção colaborativa. 195 p. Dissertação (Mestrado em Educação) Instituto de Educação/Instituto Multidisciplinar/PPGEduc/Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, RJ. 2015.
  8. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, janeiro de 2008. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria nº 555/2007, prorrogada pela Portaria nº 948/2007, entregue ao Ministro da Educação em 07 de janeiro de 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em 16 de abril de 2020.
  9. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Resolução 4. Brasília, 2009.
  10. BRASIL/SEESP/MEC (2006). Saberes e práticas da inclusão: avaliação para identificação das necessidades educacionais especiais. [2. ed.] / coordenação geral SEESP/MEC. – Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006. 92 p. (Série: Saberes e práticas da inclusão) Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/avaliacao.pdf. Acesso em 16 de abril de 2020.
  11. BRASIL/MEC/SECADI (2014) Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192) . Acesso em 16 de abril de 2020
  12. CARVALHO, A.M.P (org.). Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. O Ensino de Ciências e a proposições de sequencias por ensino investigativo., Cap. 1. Cengage Lerning p. 1-20. 2014
  13. Currículo na Educação Integral. (2014). Centro de Referências em Educação Integral. Disponível em: https://educacaointegral.org.br/glossario/curriculo/. Acesso em; 08 de maio de 2020
  14. CRADDOCK, G., MCNUTT., L. Universal Design as a Transformative Agent in Education for All Learners. Studies in Health Technology and Informatics v.242. p.977-984. 2017.
  15. CREVECOEUR, Y. C., SORENSON, S. E. MAYORGA, M., GONZALEZ, A., P. Universal design for learning in K-12 educational settings: a review of group comparison and single-subject intervention studies. The Journal of Special Education Apprenticeship, v. 3, n. 2, p. 1-23, Dec. 2014.
  16. CRUZ, M. M.; NASCIMENTO, F. F. Acessibilidade ao currículo através do uso do computador para estudantes com autismo. Revista Interinstitucional Artes de Educar, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 43-65, jan./abr. 2018. doi: 10.12957/riae.2018.30041
  17. FLORIANI, F., H., FERNANDES, S., F., Flexibilização e Adaptação Curricular: desafios dos sistemas de ensino para equilibrar o comum e o individual em contextos inclusivos? Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1527-8.pdf Acesso em: 13 de abril de 2020.
  18. GABRILLI, M., C. Desenho Universal: um conceito para todos. Publicação Independente. São Paulo. 2007
  19. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa.4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
  20. GLAT, R.; PLETSCH, M. D. (Org.). Estratégias educacionais diferenciadas para alunos com necessidades especiais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2013.
  21. HITCHCOCK, C., MEYER, A., ROSE, D., JACKSON, R. Providing new access to the general curriculum. Universal Design for Learning. Teaching Exceptional Children, 35(2), 8-17. 2002.
  22. HOLLAND, B. (2014). Desenho universal para aprendizagem – Um guia para o sucesso escolar. Diversa-Educação Inclusiva na Prática. Disponível em: https://diversa.org.br/artigos/desenho-universal-para-aprendizagem-guia-sucesso-escolar/. Acesso em 14 de abril de 2020.
  23. JACOMELI, R. B. (2020) A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR. Disponível em: https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/educacao/a-inclusao-alunos-com-necessidades-especiais-no-ensino-regular.html. Acesso em 13 de abril de 2020
  24. JUSTI, S. R. S.; HOSTINS, R. C. L. Políticas públicas de inclusão para pessoas com deficiência na Educação Superior nos últimos dez anos. Jornal de Políticas Educacionais. v. 14, n. 04. Janeiro de 2020.
  25. KATZ, J. Re-imagining inclusive education (inclusion). CAP Journal. The Canadian Resource for School Based Leadership, p.22-25. 2012.
  26. KATZ, J. Implementing the three block model of universal design for learning: Effects on teacher‟s self-efficacy, stress, and job satisfaction in inclusive classroom K-12. International Journal of Inclusive Education, 19(1). 2014.
  27. KUMAR, K. L.; WIDEMAN, M. Accessible by design: applying UDL principles in a first-year undergraduate course. Canadian Journal of Higher Education Revue Canadienne d’Enseignement Supérieur, v. 44, n. 1, p. 125-147, 2014.
  28. KUZUYABU M. (2016). Dificuldade da inclusão divide professores e especialistas. Disponível em : https://revistaeducacao.com.br/2016/04/04/inclusao-na-pratica/. Acesso em 13 de abril de 2020.
  29. LOPES, E., MARQUEZINE, M., C. Sala de Recursos no Processo de Inclusão do Aluno com Deficiência Intelectual na Percepção dos Professores. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 18, n. 3, p. 487-506, Jul.-Set., 2012
  30. MACIEL, A. L. B., PIECZKOWSKI, S.I., RECH T. L. A inclusão de crianças com autismo na educação básica: fatores significativos para o desenvolvimento infantil. Revista do Seminário de Educação de Cruz Alta – RS, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 230-237, may 2019.
  31. MENDES, E. G.; TANNÚS-VALADÃO, G.; MILANESI, J. B. Atendimento educacional especializado para estudante com deficiência intelectual: os diferentes discursos dos professores especializados sobre o que e como ensinar. Revista Linhas. Florianópolis, v. 17, n. 35, p. 45-67, set./dez. 2016
  32. MEO, G. Curriculum planning for all learners: Applying universal design for learning (UDL) to high school reading comprehension program. Preventing School Failure: Alternative Education for Children and Youth, 52(2), 21-30. 2008.
  33. MEYER, A., ROSE, D.H., & GORDON, D. Universal design for learning: Theory and Practice. Wakefield, MA: CAST Professional Publishing.2014. Disponível em:
  34. http://www.cast.org/udl/index.html. Acesso em 18 de abril de 2020.
  35. NASCIMENTO, K. de A. do; NASCIMENTO, C. F. do; DIAS, G. da C.; SOUZA FILHO, J. C. de. Proposta de uma sequência didática para o ensino do eletromagnetismo EDUCERE – Revista da Educação, Umuarama, v, 19, n. 1, p. 243-268, jan./jun. 2019.
  36. NUNES, C, MADUREIRA, I. Desenho Universal para a Aprendizagem: Construindo práticas pedagógicas inclusivas. Da Investigação às Práticas v. 5 n. 2 p.8-31. Lisboa set. 2015
  37. OGASAWARA, J.S.V., O conceito de aprendizagem de Skiner e Vygotsky: um diálogo possível. Salvador, 2009. 47f. Monografia (Graduação em Pedagogia do Departamento de Educação da Universidade do Estado da Bahia). 2009
  38. que é desenho universal e sua relação com a acessibilidade: Inclusão no mundo. Talento Incluir (2019). Disponível em: https://talentoincluir.com.br/inclusao-no-mundo/o-que-e-desenho-universal-e-sua-relacao-com-a-acessibilidade/.   Acesso em 16 de abril de 2020.
  39. ORNSTEIN, S. W. ABIKO, A. K. Inserção Urbana e Avaliação Pós-Ocupação (APO) da Habitação de Interesse Social. 373p. Editora Coletânea HABITARE FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos. São Paulo 2002
  40. PAIVA, T., MATUOKA, I (2018). O que está em jogo com a proposta de reforma da Política Nacional de Educação Especial. Centro de Referência em Educação integral/ Reportagens. Disponível em: https://educacaointegral.org.br/reportagens/o-que-esta-em-jogo-com-proposta-de-reforma-da-politica-nacional-de-educacao-especial/. Acesso em 16 de abril de 2020.
  41. PEARSON, M. Modeling universal design for learning techniquest o support multicultural education for pre-service secondary educators. Multicultural Education, Spring/Summer, 2015
  42. PUPO, L. O., BEZERRA, G., F. Inclusão de crianças com necessidades educacionais especiais: A educação infantil em foco. Revista Teias v. 19 n. 53 Abr./Jun. 2018.
  43. PLETSCH, M. D., SOUZA, F. F., ORLEANS, L. F. A diferenciação curricular e o desenho universal na aprendizagem como princípios para a inclusão escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v14, n.35.P.264-280. 2017
  44. REBELO, A. S. A educação especial no Brasil: indicadores educacionais de atendimento especializado (1973-2014). Tese (Doutorado), Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 200 f. 2016.
  45. REIS, Jr. A. M. (2018) 4 pontos importantes sobre a inclusão escolar na educação infantil. Educação Infantil. Disponível em: https://educacaoinfantil.aix.com.br/inclusao-escolar-na-educacao-infantil/). Acesso 17 de abril de 2020.
  46. Ribeiro, G. R. P. S., Amato, C.A. H. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento. São Paulo, v. 18, n. 2, p. 125-151, jul./dez. 2018
  47. SILVA, C. C. B., FERREIRA, A. F, PORTUGAL, G. Inclusão escolar de uma criança com transtorno do espectro do autismo na educação infantil – contributos do sistema de acompanhamento das crianças. CIDTFF – Indagatio Didactica. vol. 11 n. 4. p.25-39. 2019
  48. SILVA L., S., BENASSI, C., L. Formação do Professor de Libras. Revista Diálogos: Linguagens em Movimento – Série Especial Monografias Ano II, V.II, p.84-98. 2014
  49. SILVA, J. R. DE S., DIEGUES, D., & DE CARVALHO, S. G. Trabalho e deficiência: reflexões sobre as dificuldades da inclusão social. Cadernos De Pós-Graduação Em Distúrbios Do Desenvolvimento, v. 12, n.1. p.27-33. 2018.
  50. SOUZA, P. M. Identificação e caracterização dos alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, matriculados nas classes comuns do ensino regular, na rede pública estadual, em município do interior paulista. 2011. 120 p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011
  51. TOSIN, G., FRANCO, G. S., HAYASHIDA, M., T., OLIVEIRA, B., R. As Histórias em Quadrinhos da Turma da Mônica como Ferramentas para a Inclusão Escolar. Revista Momentum. 1, n. 14, p.155-69. 2016
  52. (1990). World declaration on education for all and framework for action to meet basic learning needs. Adopted by World Conference on Education for All Meeting Basic Learning Needs, 5–9 March, Jomtien, Thailand. Dísponpivel em : http://www.ceses.it/docs/JOMTIE_E.pdf. Acesso em 16 de Abril de 2020
  53. (1994). Declaração de Salamanca e enquadramento da acção na área das necessidades educativas especiais. Disponível em: http://redeinclusao.web.ua.pt/files/fl_9.pdf.  Acesso em 16 de Abril de 2020.
  54. (2000). World Education Forum. The Dakar framework for action. Education for all: Meeting our collective commitments. Senegal 26-28 April. Disponível em: http://resourcecentre.savethechildren.se/sites/default/files/documents/2023.pdf.  Acesso em 16 de Abril de 2020.
  55. (2001). Educação para todos: O compromisso de Dakar (2ª ed.). Brasília. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127509porb.pdf. Acesso em 16 de abril de 2020
  56. (2009). Policy Guidelines in inclusion un education. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0017/001778/177849e.pdf. Acesso em 16 de Abril de 2020.
  57. ZERBATO, A. P., MENDES, E. G. Desenho universal para a aprendizagem como estratégia de inclusão escolar. Educação Unisinos 22(2):147-155. 2018.

For Conference & Paper Publication​

UIJRT Publication - International Journal